quarta-feira, 27 de julho de 2011

Criticando Transformers

Como não tenho nada pra fazer vou falar de transformers que eu assistí ontem.
Na verdade vou falar MAL de transformers que eu assistí ontem, isso porque não tem como falar BEM desse filme, fala sério.

Se você não viu ainda, pretende ver e não curte SPOILER, sai daqui!!!!!!!!





Pra começar o filme é muito TOSCO, como por exemplo o fato de as pessoas ao serem atingidas por um tiro de raio lazer, que nem era muito grosso, mais fino que um braço, viravam pó, literalmente, eu até entendo que a região onde o raio atinge poderia ser incinerada na hora e tal, mas o corpo TODO???

Enfim

Além de TOSCO o filme foi muito "WHAT THE FUCK?"

E quanto a isso não faltam exemplos como os transformers jorrarem sangue, sangue vermelho como de pessoas, só que o problema é que eles são feitos de metal e se alimentam de metal, DE ONDE saiu o sangue vermelho???  WTF????

Outra coisa MEGA WTF? foi uma hora em que os soldados e os protagonistas estavam num prédio que tinha sido destruído na base e a parte superior estava inclinando prestes a tombar, então eles vão para o exterior do prédio e usam-no como um escorrega, vão descendo vários e vários andares pelas janelas lisas do prédio até que depois de descerem vários andares um soldado quebra a janela e eles voltam pro interior do prédio, mas nisso um trasformer gigantesco meio minhoca está subindo pelo prédio destruindo-o e fazendo ele tombar cada vez mais, até que o prédio tomba de vez mas não desaba completamente porque ele se apóia em um outro prédio menor e aí aparecem os soldados no TOPO do prédio, mas WTF? eles não tinham deslizado váaaarios andares para baixo antes?

Nesse meio tempo ainda acontece de o protagonista magrelo segurar a namorada que estava em queda livre apenas com um braço e milagrosamente o braço nem deslocou, segurou o peso da menina que era muito mais encorpada que ele por sinal sem nenhum problema.

alias esse garoto é muito especial mesmo porque numa outra cena ele luta com um transformer que tinha forma de uma ave de metal, com asas de metal, penas de metal, garras de metal e uma metralhadora na cauda, ele luta corpo a corpo sem NENHUMA ARMA e consegue sair ileso da luta, fala sério, WTF????

Ainda se ele fosse um Van Damme, ou um Chuck norris da vida, mas aquele magricelas esquisito e egocêntrico? WTF??

Tem uma parte no filme que um transformer diz que eles possuíam uma maquina que contrariaria as nossas leis de física mas depois eu percebi que o filme INTEIRO já fazia isso! hahahaha

Outra coisa meio WTF? foi eles terem que espalhar os pilares pelo mundo inteiro para fazer o teletransporte do planeta deles, eu pensando com a minha lógica achei que eles transportariam os transformers de lá para cá, para dominarem o mundo todo por igual, ou então que o nosso planeta se transforaria no planeta deles, mas não, tudo isso era apenas para sair um raiozinho que traria o planeta deles para nosso sistema solar ao lado da terra e eu não vou nem falar sobre o que isso geraria como um todo no sistema afinal pra que pensar nas leis de física, como eu disse eles sublimaram isso na produção do filme....

Também tem o fato de a parte do planeta deles desaparecer depois, estava aqui e mesmo com a máquina de teletransporte quebrada o planeta sumiu, desapareceu, puff. Sendo que antes quando a máquina foi interrompida pela primeira vez ele continuou. TWF? hahahaha

Agora eu chegaria aqui e diria, bem, esse era um filme para CRIANÇAS por isso não se preocuparam com essas coisas, mas aí vem a pior parte e que contradiz um pouco isso...

O filme é BOOOOOOOORING, muito BORING, eu não via a hora de acabar, tinham cenas muito nada a ver, os pais do ator principal fazendo mimimi, soldados falando da vida pessoal, cenas MEGA desnecessárias, enfim, eu me sinto um vencedor por ter aguentado ficar até o final do filme no cinema e não sou o único com certeza!!!!

Tentaram incrementar mais a trama para não ficar tão infantil talvez, mas só conseguiram deixar o filme mais BORING, quase uma história sem fim, pensei mais de uma vez em sair do cinema antes do filme acabar.

Pra não dizer que não tinha NADA de bom, a fotografia do filme tava bem legal, cenas e cenários bonitos, ótimos para papéis de parede, e só.

Se você ainda não viu o filme não gaste seu dinheiro com isso, deve ter coisa melhor no cinema com certeza!

Bye

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Casa Partilhada

Eu estava pensando sobre a minha vida na minha casa. Moro só com minha mãe e fico pensando às vezes como deveria ser a minha com esta realidade... Uma mãe dando ordens ao filho, dizendo para ele estudar, ir fazer provas, procurar trabalho, etc... Cuidando da casa, da limpeza, da comida...
Mas aqui não é nada assim, minha mãe não é mais que um colega de quarto pra mim, sim, ela trabalha e teoricamente não teria tempo pra ficar cuidando da casa, mas isso só na teoria mesmo pois o trabalho dela além de ser aqui no apartamento ao lado, é completamente flexível. Eu posso afirmar sem sombra de dúvida que ela passa mais de oitenta por cento do seu dia de acordada na frente do computador jogando buraco ou alguns dos outros joguinhos do orkut, como mega city, café mania, etc... Ou mandando mensagens para as centenas de amigos dela no site de relacionamentos, dos quais ela deve realmente conhecer no máximo uma dúzia. Os outros  vinte por cento restantes ficam por conta de fazer algo no trabalho, alguma costura ou corte de roupas, ou em comer algo e fumar, sim, fumar deve ocupar dez por cento dos vinte por cento restantes. Quanto a mim costumo sair para fazer provas ou ir passear e também me encarrego da limpeza na casa.
Porém eu devo admitir, ultimamente ando muito desanimado com isso, fico pensando, "que adianta eu me esforçar para limpar a casa se minha mãe não dá a mínima importância para uma casa limpa?" Ela não só é indiferente com a limpeza como também é indiferente com a sujeira e por isso não se incomoda com uma casa suja, e eu sempre fico pensando vou deixar tudo sujo e ver até que ponto ela vai aguentar, mas eu nunca consigo ir até o final, sempre me sinto insuportavelmente incomodado com toda a sujeira e acabo limpando, mas me incomoda profundamente perceber esse descaso da minha mãe.
Por isso eu digo, morar com minha mãe é como morar com uma colega de quarto e não com uma mãe realmente, aliás, por vezes parece que ela é a filha e eu o pai.
O que eu mais quero agora é ter a minha própria casa, deixa-la do jeito que me agrada, ou seja, limpa, eu quero é claro, poder manter a minha casa assim, me incomoda morar com minha mãe e ver as coisas  que eu arrumo sendo desarrumadas, as coisas que eu limpo sendo sujas por alguém que não se preocupa nem um pouco com isso.
Minha mãe é o tipo de pessoa que só viveria dignamente na limpeza se tivesse uma empregada para tal, e se eu pudesse contrataria uma de bom agrado, mas não posso e queria que ela tivesse mais consciência disso e se importasse mais tanto com a limpeza como com a sujeira!

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Sobre Eu Agora

Meus posts nesse blog são muito irregulares e muito distintos, e olha que eu criei esse blog pra ser um escape pessoal para todos os meus sentimentos, desejos e pensamentos. Isso só serve para mostrar o quanto sou desse mesmo jeito, inconstante, irregular, distinto. Eu poderia dizer que assim são meus sentimentos mas seria uma mentira, na verdade os meus sentimentos são a coisa mais constante em mim e na minha vida. Uma grande característica minha é não me deixar levar pelos outros e pelas coisas a minha volta. Já me criticaram por ter ouvidos fechados, por não mudar meus pensamentos e sim, eu não acho que seja saudável ser desse jeito e estou a cada dia trabalhando para mudar, mas tem algo de bom nisso tudo... Meus sentimentos são muito resistentes e estáveis, ao contrário apenas, da minha atitude em relação a eles, pois como eu disse eu sou assim, minhas atitudes são assim, quando me machucam e eu acho que devo tomar uma atitude eu tomo, mesmo que eu ainda ame alguém eu poderia deixa-lo para sempre. Amigos, tenho amigos que amo como irmãos, mas nem por isso eu reflito tais sentimentos nas minhas atitudes, posso nunca mais ve-los, mas sempre sentirei o que sinto... Isso dói as vezes, ou melhor, dói sempre que vem à tona, sempre que vem na lembrança, todas as coisas, todas as perdas, tudo que literalmente passou. É como se a vida fosse uma estrada e em alguns pontos cruzamos com algumas pessoas, e elas podem pegar uma outra estrada certa hora e se separar de nós. Essa é a grande diferença entre relações (atitudes) e sentimentos. As relações são feitas com você e mais alguém já os sentimentos são só seus e vão com você para onde quer que você vá, sempre, sempre, sempre.

sexta-feira, 25 de março de 2011

Desabafo

Só queria expressar minha solidão aqui.
Eu tive uma infância meio complicada, nunca tive muita presença dos meus pais, não que eles não me amassem, claro que sim e muito, mas eu sempre tive que tomar minhas próprias atitudes.
O mais perto de algum "responsável" que eu tive foi minha tia mais nova, ela é quem mandava em mim, me ensinava as coisas do dia-a-dia, fazia eu escovar sempre os dentes, lia gibis da turma da mônica comigo, cortava minhas unhas. Sim, eu não posso dizer que não tinha ninguém, mas como eu disse ela era minha tia e não estava nem podia estar SEMPRE presente e além disso por mais que ela fosse intima não é a mesma coisa...
A questão é que com isso tudo eu passei a ser uma pessoa bem fechada e por mais que eu considere alguém é muito difícil eu me abrir, chorar, etc...
Ultimamente eu não tenho feito isso nem para mim mesmo.
No exato momento eu só queria dizer que eu queria explodir, sumir, deixar tudo para trás.
Em muitos momentos da minha vida eu já quis nunca ter existido, eu sempre quis fazer algo de importante no mundo mas nunca cheguei nem perto disso, logo, minha existência não significa nada.
E nem mesmo para pessoas individuais, eu não sinto que sou indispensável para ninguém, me sinto completamente substituível e talvez por isso mesmo eu realmente seja...
Enfim, isso é só um desabafo, de mim, para mim mesmo.

quinta-feira, 3 de março de 2011

Curvas

Eu ia dizer que às vezes dá uma vontade incontrolável de sumir, mas pensando bem, no meu caso eu deveria apenas dizer que às vezes eu não sinto essa vontade!
Eu acho que meu cérebro funciona devagar demais, situações em que uma resposta rápida e objetiva é necessária são um verdadeiro tormento para mim, raramente consigo acertar no alvo, costumo meter os pés pelas mãos.
Mas vamos lá, sempre tem um lado bom em tudo, eu não sei se penso isso porque realmente acredito ou se é apenas uma forma de me sentir um pouco mais reconfortado mas não deixa de ter lá seus fundamentos. Mesmo na pior da desgraça podemos tirar pelo menos experiência.
Enquanto estamos vivos, de uma forma ou de outra, estamos vivendo.
As vezes certas palavras podem machucar e eu pelo menos sempre tento evita-las, mas chega uma hora que não dize-las torna-se pior do que escancara-las.
Sentimentos também são complicados de se entender, alguns são tão parecidos com outros que é fácil confundir, mas também tem os casos em que nem temos escolhas, nós simplesmente sentimos o que sentimos. Esses são os sentimentos mais verdadeiros!
Eu queria poder olhar pro meu futuro e ver uma estrada reta, sem cruzamentos indo direto para o seu fim esperado, mas quando tento dar uma olhadinha não consigo nem ver o amanhã que já está depois daquela curva, aquela curva igual a tantas e tantas outras que cercam meu futuro...
Eu queria ser mais feliz, mais seguro de mim mesmo, queria ter mais oportunidades, aproveita-las todas, queria ser tudo o que não sou, queria ser o que eu queria ser!


Lenonfa.

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Quedas

Certas quedas são mais como corredeiras do que como abismos, são constituídas por vários tombos, alguns maiores outros menores, e demoram mais pra chegar no fundo... Comigo é quase sempre assim, não sei qual o meu problema mas é como se eu tivesse uma barreira que me impedisse de dar um salto livre, vou caindo aos poucos, sofrendo aos poucos. Posso não desabar de uma só vez e de uma grande altura, mas fico preso ao sentimento e a cada contração do ferido eu sinto uma dor que machuca, incomoda, algumas mais que outras e é assim até o enfermo definhar de vez ou quem sabe, recuperar a vida plena...




lenonfa

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Natal

Hoje é natal!
Não é dia de começar ou terminar nada...
É dia de perseverar, conciliar, dar as mãos e seguir em frente.
Pegar tudo o que você tem e perceber que olha, você tem alguma coisa...
Olhar para frente e para cima.
Desejo feliz natal para todos! =)